Subscribe:

Ads 468x60px

28 de fevereiro de 2014

PM é acionada para acalmar confusão no Hospital Municipal de Tangará da Serra


Uma confusão causada pela falta de médico foi registrada na tarde desta sexta-feira no Hospital Municipal de Tangará. Desta vez a Polícia Militar precisou ser acionada para acalmar familiares de pacientes, que estavam desde cedo aguardando atendimento médico.

Enfermeiras do local afirmaram terem sido desacatadas por usuários. O Boletim de Ocorrência (BO) foi confeccionado. E a Polícia ouviu ainda pacientes do Hospital.

De acordo com o soldado Willian Martins, a guarnição encontrou no Hospital pacientes transtornados que estavam desde cedo aguardando por um médico. Diante disto, eles começaram a pressionar a equipe de enfermagem a ponto de se sentir ameaçada e decidir acionar a PM. “Algumas pessoas xingaram as enfermeiras e com isso elas se sentiram acuadas. Infelizmente os pacientes não entendem que não é culpa das enfermeiras e descarregam seu nervosismo nelas”, salientou.

Luiz Paulo Martins informou à reportagem da Rádio Pioneira, que desde as 6h estava com seu filho doente e até às 15h [horário da entrevista] não havia sido atendido. “Falta de consideração com a população que paga seus impostos e não tem médico. Peço às autoridades que se mobilizem e resolvam a situação, porque a população não pode passar por isso”, disse.


Fonte: Lucélia Andrade com Heverton Luiz

27 de fevereiro de 2014

Dono de afiliada da Rede Record de Juína teme ser assassinado a qualquer momento

Lelinho dos Santos Kapich já informou às autoridades
o que pode lhe acontecer

O apresentador de TV e proprietário da TV Mundial Juína- Afiliada a Rede Record, Lelinho dos Santos Kapich, 56, afirmou em seu programa ao vivo nesta quarta-feira (26.02) que poderá ser vitima de um assassinato a qualquer momento.

A notícia deixou toda população apreensiva pela forma em que Lelinho transmitiu. Segundo o apresentador, uma pessoa de confiança estava em um estabelecimento comercial e que este garantiu que ouviu três pessoas conversando, e estas, citaram que dois funcionários da prefeitura municipal de Juína os procuraram para negociar seu assassinato.

A missão dada aos “suspeitos” era para executar Lelinho com tiros de uma pistola 380. Uma dessas pessoas que estavam conversando, aconselhou os demais para que não cometesse tal crime por si tratar de uma pessoa conhecida na cidade e que não valia a pena. A resposta dos rapazes foi irônica, eles disseram “Esse que é bom”.

A vítima procurou a delegacia de polícia e registrou uma queixa crime e alguns nomes já foram citados no caso.

Lelinho acredita que está sendo perseguido pela atual administração do prefeito Hermes Lourenço Bergamim. Em seu programa diário, o apresentador critica duramente a gestão pública e esse pode serum dos motivos que tem gerado diversas perseguições.

Este ano a emissora foi fechada por duas vezes pela prefeitura municipal, alegando falta de alvará, mas foi reaberta com liminar judicial, a última o juiz da cidade, através de liminar autorizou o funcionamento e determinando para que a mesma não seja mais impedida de trabalhar.

Outra insatisfação da administração pública no entender da TV Mundial Juína, é que no último dia 6 de fevereiro, ocorreu uma audiência onde o departamento jurídico da prefeitura municipal, havia entrado com pedido de reintegração de posse da área onde funciona a TV Record desde o ano de 1997, o juiz indeferiu o pedido e a emissora continua seus trabalhos no local.

O dono da emissora, ainda acredita que mais perseguições estão por vir, uma informação que corre nos bastidores é que nos próximos dias, não se sabe quem, mas virão tirar a torre onde está a antena de transmissão da TV.

Conforme informações, esta área esta sob demanda na justiça,  a mesma foi colocada em licitação e foi impugnada. No último dia 06 de fevereiro a justiça indeferiu o pedido de liminar feito pela prefeitura  de reintegração de posse, ou seja, a área não é invadida como alega a prefeitura.


Durante a audiência foram apresentados documentos para que a TV se instalasse no local. Ainda segundo a empresa, todo projeto do Ministério das comunicação foi feito baseando nos documentos que a prefeitura concedeu autorizando este  local para instalação da televisão. Juína News

Após convite, empresa com sede 'fantasma' firma contratos com AMM



A Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) contratou a mesma empresa, no mesmo dia, para execução de dois serviços diferentes, no valor limite da modalidade Carta Convite. A empresa "escolhida" para a criação de cartilhas educativas no combate à dengue e de agendas tipo caderno, com bolsa personalizada, é Creonice Maria Búfalo Mendonça-ME, cujo nome fantasia é Pragmática Editora, Comunicação e Eventos.

O serviço de produção de cartilha custará R$ 79 mil e o de elaboração de agendas custará R$ 79.300,00, conforme publicação no Jornal Oficial Eletrônico dos Municípios do Estado do Mato Grosso, edição nº 1910, do dia 12 de fevereiro de 2014. Na modalidade de licitação Carta Convite, as empresas são convidadas e a que apresentar melhor preço é vencedora.

Nesse caso, o valor limite da contratação é de R$ 80 mil.



A empresa Creonice Maria Búfalo Mendonça-ME atua no ramo de publicidade e sua sede está cadastrada na Receita Federal como sendo na cidade de Rondonópolis. Porém, no site da empresa (www.agenciapragmatica.com.br/contato/) o endereço informado como sendo a sede da empresa é o mesmo endereço onde está localizado o Comper Supermercado, ou seja, avenida Historiador Rubens de Mendonça, nº 3.000, em Cuiabá.

O telefone disponibilizado no site para contato com a empresa também é de Cuiabá. Embora trate-se de um número residencial, quem o atendeu foi a proprietária da empresa, Creonice Mendonça. 




Pela tabela do Sindicato das Agências de Propaganda de Mato Grosso (Sinapro), o custo para a confecção das cartilhas gira em torno de R$ 14 mil. Já as agendas têm um valor de produção de aproximadamente R$ 4.8 mil, o que sugere que, além de favorecimento da empresa e contratação do mesmo serviço mais de uma vez, o valor pago pelos serviços está muito acima do praticado no mercado por empresas renomadas.


Apesar de prestar serviços de publicidade e propaganda para órgãos públicos, empresa Pragmática não está filiada ao Sinapro e nem ao Conselho Executivo de Normas-Padrão (CENP), que regulamenta as atividades do setor.

Em 2013, a mesma empresa foi contratada, também por meio de Carta Convite, para a realização desses mesmos dois serviços. Em 17 de maio, o custo para a criação, desenvolvimento e diagramação das cartilhas foi R$ 77 mil, ou seja, R$ 2 mil a menos que nesta última contratação. No caso das agendas, pela criação, desenvolvimento e arte final, a Pragmática recebeu R$ 75 mil, em 24 de abril.

Questionada pela reportagem, a coordenadora jurídica da AMM, Débora Simone Rocha Faria, explicou que a lei de Licitações não permite a reimpressão, ou seja, não daria para licitar apenas parte do serviço.


“Além disso, tem a questão dos direitos autorais, não dá para reimprimir se os direitos autorais são da empresa”, explicou. Porém, o serviço de impressão não está incluso no objeto contratado, mas somente a criação, desenvolvimento e diagramação.

Quanto à contratação da mesma empresa para o mesmo serviço em dois processos em períodos distintos, a coordenadora jurídica alega que o procedimento é lícito. “É a lei da livre concorrência, várias são convidadas para fazer o mesmo serviço, mas aquela de melhor preço ganha”, diz. No entanto, a profissional não informou o nome e o valor cobrado pelas outras duas empresas convidadas.

Débora justifica a contratação sob a alegação que o Ministério Público Estadual (MPE) está pressionando os prefeitos para a constante prevenção contra a dengue. Segundo ela, as cartilhas são distribuídas para todo o Estado e as agendas do ano anterior também foram distribuídas, “cada prefeito ficou com três exemplares”.

Para a reportagem do Hipernotícias, a empresária Creonice Mendonça explicou que sua empresa atende municípios de todo o Mato Grosso, e não apenas a AMM. No Diário dos Municípios, a empresa aparece executando serviços, por meio de Carta Convite, para algumas prefeituras, entre elas, a de Juscimeira, cujo prefeito é Valdecir Colle, atual presidente da AMM.

“Sou publicitária, tenho mais de 30 cartilhas informativas realizadas. Há mais de 15 anos faço cartilhas educativas. Não tenho vínculo com ninguém, sou publicitária e faço o meu trabalho”, respondeu. A empresária se recusou a falar a respeito das questões relativas à divergências de informação com relação ao endereço da empresa.

Embora negue vínculos, a empresa de Creonice tem um histórico de negócios com a AMM. Além dos serviços de elaboração de cartilha e agendas, a empresa foi contratada em outubro de 2013, também por meio da carta convite, para prestação de serviços de atualização, repaginação e implementação de tecnologias no aplicativo eletrônico de distribuição junto aos municípios associados a AMM com implantação de plataforma de dados SQL Serve ou Oracle. A informação foi publicada na edição 1825, do Jornal oficial eletrônico dos municípios de Mato Grosso.



Já em 17 de julho do ano passado, a Pragmática foi contratada para a criação e impressão do jornal informativo bimestral da AMM. O contrato teve vigência até 31/12/2013, mas foi aditivado até 30/04/214. O valor de ambas contratações não foi divulgado.





ELIANA BESS / HiperNotícias

DEU NO RDNEWS: Justiça sequestra bens de ex-prefeito e mais 7 em ação por improbidade

Ladeia ao lado do mensaleiro condenado Pedro Henry

O ex-prefeito de Tangará da Serra  (a 210 km ao Médio-Norte da Capital) Júlio César Davoli Ladeia (PR) e outras sete pessoas tiveram os bens bloqueados pela Justiça, que deferiu pedido liminar interposto pelo Ministério Público em ação civil pública por ato de improbidade administrativa, que questiona a legalidade de dois contratos firmados entre o município e uma Oscip.
O caso é polêmico e, em agosto de 2011, culminou na cassação de Ladeia do seu vice José Jaconias (PT) e de mais 4 vereadores -  Haroldo Lima (DEM) e Paulo Porfírio (PR), Genilson Kezomae (PR) e Celso Ferreira (DEM), em processo de investigação na Câmara de Tangará da Serra, que apontou rombo de R$ 6 milhões.
A decisão de ontem (27), no entanto, prevê o sequestro de  bens de Ladeia, Ângela Joana Cesar Dedoja Louret, ex-secretária de Assistência Social; Mário Lemos de Almeida, ex-secretário de Saúde; Eriko Sandro Soares, Gustavo Porto Franco Piola, Dinocarme Aparecido Lima, Elzira Vergínia Mariani Martins e Vergínia Aparecida Mariani.
De acordo com a decisão, o montante de bens bloqueados varia de R$ 568, 4 mil a 2,7 milhões. Conforme a ação do MP, os contratos foram efetivados entre os meses de agosto de 2008 a junho de 2009, com previsão de repasses no valor de R$ 2,2 milhões além dos aditivos que resultaram no montante de R$ 314 mil. “Os acusados causaram dano ao erário e violaram princípios da administração pública, porque dispensaram indevidamente licitação para a contratação de pessoa jurídica que prestou serviços públicos que sequer necessitavam de intermediação por terceira pessoa, além de terem realizado, ilegalmente, aditivos contratuais sem justificativa que aumentaram as despesas do contrato sem o consequente aumento do serviço”, diz um trecho da ação do MP.
Conforme o promotor Renee do Ó Souza, o Centro Integrado e Apoio Profissional foi contratado pelo município de Tangará da Serra, sem a realização de licitação, para execução de projetos de ações compartilhadas da assistência social e para o desenvolvimento das ações do Samu. “Para firmar termo de parceria com Oscips, o Poder Público deve realizar licitação ou seleção, visando aferir a qualificação técnica, econômica e financeira da entidade, com a analise de aspectos pertinentes à experiência, credibilidade e capacidade técnica mínima exigível à consecução do termo de parceria”, reforça. 
Assim, segundo ele, não se pode conceber que organizações não-lucrativas estejam livremente autorizadas a receber um valor de repasse tão alto sem que precisem participar de uma licitação. O membro do MP reclama ainda da falta de fiscalização por parte do Executivo em relação aos serviços contratados, ausência de justificativa plausível para a contratação, existências de vários aditivos e realização de pagamentos não previstos em contrato.

26 de fevereiro de 2014

Profissionais da educação rejeitam proposta da prefeitura de Brasnorte e aprovam estado de greve

Da Redação / Gazeta do Noroeste
Crédito das imagens: jornal Gazeta do Noroeste

Os profissionais da rede municipal de Educação de Brasnorte, interior de Mato Grosso, rejeitaram em assembleia geral realizada no final da tarde desta quarta-feira (26), proposta encaminhada pela prefeitura para reajustes dos salários da categoria. De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, Daniel Ferreira Júnior, a proposta do município ficou muito longe do que determinam as leis federais que regem o piso salarial dos professores.

Como a categoria não aceitou a proposta por entendê-la indecente e desrespeitosa com a categoria, foi votado e aprovado pela plenária a manutenção do Estado de Greve. Ou seja, conforme Daniel Ferreira, como o Município não atendeu a cobrança dos profissionais da educação, uma nova assembleia será agenda para início de março, para deliberar sobre uma possível paralisação geral, por tempo indeterminado, até que o município passe a cumprir o que determina a Lei sobre o piso salarial da categoria.

Nesta quinta-feira (27), serão divulgados detalhes da histórica assembleia que ocorreu nesta quarta-feira, no plenário da Câmara de Vereadores de Brasnorte.
Frente da Câmara de Vereadores

Abertura da Assembleia pelo sindicato da categoria

Câmara ficou lotada

Profissionais da educação lotam Câmara

Professores brigam pelo piso salarial nacional
Daniel Ferreira explica o que poderá acontecer 
Professores ficaram frustrados com proposta da prefeitura
Tabela de valores apresentada à assembleia
Professores rejeitam proposta
Marques marcou presença à assembleia
Assembleia histórica com mais de 150 servidores

Professores não estão temendo retaliações
Assembleia ocorreu sob perfeita ordem
Professores ouvem atentos exposição


Daniel e outros dois diretores do Sindicato
Tabela de valores classe B
Tabela de valores para a classe A - iniciantes

Dilema Salete Ferrarini se mata por enforcamento em Tangará da Serra


Uma mulher de 56 anos cometeu suicídio por volta das 14h desta quarta-feira em Tangará da Serra.
O corpo de Dilema Salete Ferrarini Iung foi encontrado por vizinhos pendurado em uma corda, na garagem localizada aos fundos de uma quitinete, região central da cidade.
Informações levantadas pela reportagem da Rádio Pioneira dão conta que a vítima tomava remédios controlados e morava sozinha. A Polícia Militar esteve no local e a Perícia Técnica foi acionada para as devidas providências.
Este é o terceiro suicídio registrado nesse  ano em Tangará da Serra. Com Lucélia Andrade

24 de fevereiro de 2014

Avião que caiu em Cotriguaçu era roubado de Orolândia no Pará; Veja Vídeo



GORDINHA ERA HUMILHADA NA ESCOLA, EMAGRECE E DEIXA, TODO MUNDO BABANDO

É, lembra aquela pessoa gordinha (o) que você zoava quando estava no ensino fundamental? Essa pessoa pode se tornar um exemplo em saúde e mais do que isso, você pode acabar se interessando por ela futuramente.
O bullying é a prática que é mais cometida nas escolas do Brasil, sempre existiu e infelizmente ainda não foi solucionada pelos educadores "profissionais".
A intenção desse nosso artigo, é mostrar para vocês que as pessoas podem mudar isso, elas podem se tornar uma pessoa melhor, podem mudar a aparência, seja emagrecendo ou fazendo plásticas e etc.
Essa garota com certeza é um exemplo de superação, veja abaixo a sua evolução como foi perfeita.
Fonte: nbem.blogspot

Tem um general macho na Venezuela!

O tiranete Nicolás Maduro mandou um batalhão de soltados e terroristas cubanos para prender o General Angel Vivas que resiste bravamente de arma em punho e com apoio da população que rechaça os comunistas.


O general venezuelano Angel Vivas está resistindo de metralhadora em punho a tentativa da polícia de tiranete comunista Nicolás Maduro, de invadir a sua casa. Esse general foi reformado porque não quis se submeter ao controle militar da ditadura de Fidel e Raúl Castro.

Maduro mandou seus bate-paus vasculhar a casa do general e prendê-lo. Entretanto, encontraram o militar com uma metralhadora em punho que até há pouco impedia o avanço da Guarda Bolivariana e de milícias armadas, os chamados 'coletivos' comunista, uma espécie de MST do PT.


As fotos acima estão sendo transmitidas pelo Twitter pelos cidadãos venezuelanos.

As fotos mostram o general Vivas, e abaixo seus vizinhos de bairro que se aglomeram perto da residência do general. Os vizinhos de Angel Vivas também se encarregaram de montar barricadas para impedir o avanço dos assassinos comunistas fardados.


Certamente, esta matéria não estará no Fantástico da Rede Globo e em nenhum outro veículo da grande mídia brasileira, toda ela sob o controle dos comunistas do PT.

EXTRA! VEJA TAMBÉM EM VÍDEO O DISCURSO RELÂMPAGO DO GENERAL ANGEL VIVAS DESAFIANDO A TIRANIA COMUNISTA DO DITADOR NICOLÁS MADURO, O SERVIÇAL DE FIDEL CASTRO!

Banco toma propriedade de agricultor de 69 anos por dívida de R$ 1.300 Reais

Agricultor Marcos Winter


O Banco do Brasil ajuizou uma ação para cobrar uma dívida oriunda de um empréstimo de R$ 1.300 Reais, de um agricultor de Santa Catarina e no meio do processo, o advogado que o defendia cometeu diversos erros e perdeu prazos, resultando na perda da propriedade que custava cerca de R$ 250 Mil Reais. "Eles chegaram de manhã, com a polícia e nos tiraram à força...Todo dia me lembro da minha propriedade", chora o pobre homem.

"Ele tinha animais e nem deu tempo, nem deixaram ele tirar os bichos, apenas colocaram tudo numa carroça e o mandaram embora sob ameaças de agressão e de prisão", disse a nova Advogada do pobre e injustiçado agricultor.

Campanha na internet
Por favor, se você assistiu este vídeo e se comoveu com a história triste do agricultor Marcos Winter, 69 anos, de Matos Costa (SC), compartilhe o vídeo com seus contatos, ou se você conhece algum Juiz ou Desembargador em Santa Catarina, por favor envie o vídeo para ele. Não podemos permitir que uma família seja tirada de sua propriedade, e jogada na rua, por um erro jurídico.

Apelamos ao Conselho Nacional de Justiça - CNJ, e as pessoas de bom coração, para que este erro seja reparado com urgência.

Se você é jornalista, radialista, blogueiro, por favor fique à vontade para usar estas informações, produzir matérias ou apenas compartilhar o vídeo.
Folha Centro Sul / TV Portal

Avião monomotor cai em Cotriguaçu; uma pessoa morta e outra ferida

Policiais militares e civis de Cotriguaçu (389 quilômetros ao Extremo Noroeste de Sinop) se deslocam até a zona rural, a cerca de 70 quilômetros da cidade, para apurar a queda de um avião monomotor. A PM informou, que populares entraram em contato apontando o acidente, com uma pessoa morta, carbonizada, e outra ferida, com queimaduras.

Segundo a polícia, a vítima ferida foi encaminhada inicialmente ao hospital local com queimaduras de segundo e terceiro graus. A transferência dela para uma unidade médica de Juína, devido a gravidade do seu estado, já está sendo providenciada. As identidades das vítimas ainda não foram confirmadas.

Semana passada, no Médio Norte, um monomotor, prefixo PR - ZOP, modelo RZ-10, caiu no assentamento Ema, entre os municípios de Barra do Bugres e Alto Paraguai (região Médio Norte). Morreram o piloto Edvaldo Martins Ferreira e o empresário rural e ex-vice-prefeito de Nova Olímpia, Luiz Roberto Gonçalves.

A Força Aérea Brasileira (FAB) ainda procura a aeronave matrícula PR-JHR, modelo Cirrus SR22, que decolou na quarta-feira (19) de Novo Progresso (PA) com destino a Telêmaco Borba (PR), mas acabou desaparecendo em Mato Grosso.

A aeronave era pilotada por Daniel Martins, 55 anos, e teria que fazer uma parada em Rondonópolis, seguindo posteriormente viagem até Telêmaco Borba. Um amigo do piloto o esperava em Rondonópolis, porém, ele não pousou no município. "Ele nem chegou em Rondonópolis. Quando ele saiu de Novo Progresso, o tempo estava nublado, mas a nossa esperança é que ele tenha acionado o paraquedas e seja localizado o quanto antes", disse Marcelo Pucci, que também é piloto.

Daniel é piloto comercial e estaria sozinho na aeronave. Esta seria a terceira vez que ele faria este trajeto. Com Só Notícias


Juína: CPI apura gastos com remédios e prefeito diz que é refém de máfia

Prefeito Hermes Bergamim

Após denúncia realizada na primeira sessão ordinária deste ano, os vereadores de Juína formaram uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar supostos gastos excessivos na compra de medicamentos pela Secretaria Municipal de Saúde, no ano passado.

O vereador Antônio Munhoz Sanches, o “Tuna” (PT), que vai presidir a CPI, disse, que há suspeita de superfaturamento. Além disso, o objetivo da comissão é saber se houve conivência ou não do prefeito. Ele não soube citar o valor gasto na Saúde que teria levantado a suspeita. Isto ainda será apurado durante os trabalhos da comissão.

Os vereadores aprovaram a instalação da CPI por sete votos, na sessão ordinária do dia 17 deste mês. Compõem a CPI, Ivani Cardoso Dalla Valle (PSB) como relatora e a Salete Bergamim como secretária.

O prefeito Hermes Bergamim (PMDB) disse que os vereadores estão certos em criar a CPI e que ele mesmo já protocolou no Ministério Público Estadual uns quatro pedidos para apurar gastos excessivos na compra de medicamentos. "Estamos reféns das indústrias de remédios. Muitas empresas viraram verdadeiras quadrilhas, manipulam licitações, corrompem servidores públicos.

 Não somente Juína, mas todas as prefeituras do Estado estão com esse problema". Segundo o prefeito, a prefeitura abre licitação, pede três orçamentos, mas só uma empresa se apresenta. Dessa forma a prefeitura tem que comprar e aceitar o preço proposto. "Ficamos reféns. Já denunciei essa situação ao Ministério Público por umas quatro vezes, mas é complicado, a população precisa dos medicamentos e acabamos tendo que comprar da forma como a situação se apresenta". Com Só Notícias

Ex-secretário que ameaça Maggi e Silval tentou enganar até a PF

Blairo, Éder e Silval Barbosa

O ex-secretário de Relações Institucionais do Governo de Mato Grosso, o executivo Éder Moraes Dias, tentou enganar a Polícia Federal e atrapalhar as investigações relacionadas a "Operação Ararath", que teve início em novembro do ano passado em Mato Grosso. De acordo com documentos sigilosos obtidos peloFOLHAMAX com exclusividade, Éder Moraes tentou "redirecionar o foco das investigações aos seus inimigos políticos, onde ficou patente a deslealdade do pretenso colaborador".

Em ofício encaminhado ao delegado federal de Mato Grosso Wilson Rodrigues, o chefe do Núcleo de Inteligência da Polícia Federal em Brasília (DF), o delegado Guilherme Augusto Campos Torres Nunes, explica detalhadamente toda "lambança" aprontada pelo ex-secretário de Fazenda, Casa Civil e Copa nas gestões do ex-governador e senador Blairo Maggi (PR) e do governador Silval Barbosa (PMDB).

De acordo com o ofício, o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, Paulo Roberto Jorge do Prado, entrou em contato com o superintendente da Polícia Federal em Mato Grosso, Élzio Vicente da Silva, informando que um dos investigados na "Operação Ararath", no caso Éder Moraes, "estaria interessado em colaborar com as investigações. A época, Paulo Prado designou o promotor do Gaeco (Grupo de Apoio e Combate ao Crime Organizado), Marcos Regenold Fernandes, para conduzir a delação premiada do ex-secretário.

No dia 12 de dezembro do ano passado, foi marcada uma reunião entre o chefe de Inteligência da PF, delegado federal Dennis Carli, juntamente com o promotor Marcos Regenold, que informou que Éder Moraes estaria disposto a "revelar um esquema de desvio de recursos públicos" que aconteceria em vários poderes de Mato Grosso através de empresas ligadas aos investigados na Ararath.

No mesmo dia, após 30 minutos, Éder chegou a sede do Gaeco para participar do encontro. Ele explicou que gostaria de colaborar com as investigações, desde que não aparecesse como delator do esquema. "Éder explicou que vai se candidatar nas próximas eleições e não cairia bem para si, em termos eleitorais a delação", explica.
Já no dia 19 de dezembro do ano passado, Éder Moraes e Marcos Regenold se encontraram com o delegado Guilherme em frente a um restaurante em Brasília e os três foram direto para a sede da PF na capital federal. Neste encontro, Éder entregou documentos que supostamente seriam provas contundentes contra investigados durante a "Operação Ararath".

No dia 13 de janeiro deste ano, o promotor Marcos levou novos documentos que teriam sido repassados por Éder a Polícia Federal. No entanto, após análise dos dados, a Polícia Federal chegou a conclusão de que dos documentos repassados eram "antigos, superficiais e desconexos entre si".

Para o chefe de inteligência da PF, o executivo "repassou dados que implicavam apenas atuais adversários políticos em tentativa clara de pautar as investigações da polícia".

Além de tentar direcionar a investigação, Éder Moraes chegou ao ponto de agendar data para uma suposta delação premiada por parte do empresário Gércio Marcelino Mendonça Júnior, o "Júnior Mendonça", que foi o pivô da operação por supostamente comandar um esquema de lavagem de R$ 500 milhões através de postos de gasolina e factorings. "No dia 20 de janeiro de 2014, novamente este subscritor foi procurado pelo promotor Marcos pára informar que Éder teria conversado com Júnior Mendonça e esta pessoa estaria desejosa a vir a sede do DPF para prestar declarações na condição de colaborador premiado", explicou.

Inicialmente, ficou agendada a delação premiada de "Júnior Mendonça" para o dia 23 de janeiro, sendo adiada para o dia 24. Neste dia, a PF montou um imenso aparato de delegados, escrivães e agentes para colher as declarações do empresário, que não apareceu, sendo que Éder Moraes telefonou ao delegado para informar que a delação não seria mais realizada.


No documento, o chefe de inteligência da PF considera que Éder Moraes "em momento algum desejou colaborar com as investigações". O executivo, que teve a casa e esecritório invadidos, por agentes da Polícia Federal na semana passada fez uma série de ameaças ao ex-governador Blairo Maggi e o atual governador Silval Barbosa, mas tem se mantido calado e recluso nos últimos dias.

23 de fevereiro de 2014

Professora compartilha com alunos vida simples de sua comunidade



Moradora há mais de duas décadas de uma comunidade rural no município de Tangará da Serra, interior de Mato Grosso, a professora pedagoga Adna Silva publicou  uma fotografia neste domingo (23), por meio da rede social Facebook, mostrando a vida simples e modesta que leva junto com seus alunos das séries iniciais.

Dentro de uma concha de telefone público (orelhão) aproveitada pelas crianças para adaptação a um carrinho de brinquedo, a pedagoga se mostra feliz e sorridente.

A legenda que ela deu para cena, em sua página social diz: “Alfabetização em transporte diferenciado”.  

Mas, será que a cena não traduz outras interpretações, pedagógicas, claro?

A cena também nos chama a atenção para outros problemas de ordem social na comunidade onde a professora reside. O leitor poderia apontá-los? 

Escreva seu comentário no espaço, logo a baixo.

Deu no RDNews:Documentos e ligações


Documentos apreendidos por agentes federais na quarta etapa da operação Ararath, que fecha o cerco contra lavagem de dinheiro, crime contra o sistema financeiro e comércio de sentença judicial, podem complicar a vida do ex-governador e senador Blairo Maggi. 

Eles complementam um dossiê que foi apreendido pela PF com o empresário Fernando Mendonça, ainda na primeira etapa. São notas promissórias e cheques de campanhas de eleições municipais e estaduais de 2006, 2008 e 2010 e há registros até sobre duas vagas no Tribunal de Contas do Estado. 

Além de documentos que estavam com Mendonça, a PF recolheu outros controlados pelo dono de factoring Valdir Piran, ligando Blairo a Eder de Moraes, que na gestão do republicano comandou o MT Fomento e secretário de Fazenda e da Casa Civil.

21 de fevereiro de 2014

Taques diz que operação da PF não prejudica projeto


Pré-candidato ao Governo de Mato Grosso, o senador Pedro Taques (PDT) afirmou aos jornais O Globo e ao O Estado de S. Paulo que as investigações da Polícia Federal, no contexto da Operação Ararath, não prejudicam o seu projeto político-eleitoral.

Um dos alvos da PF é o empresário Fernando Mendonça, apontado como o maior doador individual da campanha eleitoral do parlamentar em 2010.

Como dissera ao MidiaNews (leia mais AQUI), na quarta-feira, Taques afirmou ao Estadão que "não tem nada a temer" e que sua amizade com o empresário investigado será mantida, bem como o emprego da filha dele, até que ele conheça o teor da investigação, que tramita em sigilo. 

Ao jornal carioca, o senador confirmou que é amigo de Mendonça e que ele foi, de fato, doador de sua campanha eleitoral.

Na última quarta-feira (19), a Polícia Federal de Mato Grosso cumpriu mandado de busca e apreensão na casa de Mendonça, assim como de aliado político do senador Blairo Maggi (PR). 

Os dois jornais destacaram a operação, que investiga crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro. 

O suposto esquema teria conexões em Mato Grosso, Goiás, São Paulo e Distrito Federal. 

As reportagens destacam o empresário Fernando Mendonça como um dos principais alvos da operação. 

O empresário, dono do Atacado Mendonça, em Várzea Grande, é filiado ao PDT e a filha dele trabalha no gabinete do senador Pedro Taques, em Brasília. 

O Estadão também destaca a figura de Eder Moraes, ex-secretário dos governos de Silval Barbosa (PMDB) e de Blairo Maggi. 

O jornal lembra que Moraes comandou a Secretaria Fazenda e outras pastas durante dois anos. Hoje filiado ao PMDB, o ex-secretário é um dos alvos da investigação da PF. 

Em entrevista ao jornal paulista, Eder Moraes disse que foi "escanteado" pelo governador e pelo senador. 

"Atuei muito forte, sob as ordens de Silval e de Maggi. Tanto um como o outro não se dignaram a me ligar, em solidariedade", reclamou o ex-secretário, reafirmando que dissera antes ao MidiaNews (leia maisAQUI). 

O ex-secretário diz desconhecer detalhes das investigações, negou ter cometido qualquer irregularidade e destacou que, à frente da Secretária da Fazenda, pagou mais de R$ 500 milhões em precatórios e passivos do Estado a diversas empresas, algumas investigadas na operação. 

"Se, daí para a frente, há qualquer problema ou ilícito, cada um tem de se justificar", completou. 

Maggi não se pronunciou. O governador Silval disse que o ex-secretário atuou sob suas ordens, sim, mas sempre "com a maior correção e lisura."

Leia AQUI a íntegra da reportagem do Estadão.

Doador

A reportagem de O Globo também assinala a figura do Fernando Mendonça e a sua condição de "amigo e maior doador da campanha de Pedro Taques" em 2010. 

O jornal carioca lembra que o senador do PDT é pré-candidato ao Governo de Mato Grosso e que ele confirma a doação.

"Ele (Fernando Mendonça) foi doador, sim. Está lá tudo declarado e aprovado pela Justiça Eleitoral", disse Taques, que não veria riscos de o episódio prejudicar a sua campanha ao Palácio Paiaguás.

Sobre a possibilidade de a investigação contra Mendonça ter alguma conotação política, o senador afirmou: "Não tenho elementos para dizer isso. Confio na Polícia Federal, no Ministério Público e na Justiça".

Leia AQUI a reportagem de O Globo.

A operação

A Operação Ararath, iniciada em novembro, esta na quarta fase. Mais de R$ 126 milhões em cheques e notas promissórias foram apreendidos na última fase deflagrada na quarta-feira. 

No total, foram cumpridos 24 mandados de busca e apreensão, sendo 17 em Mato Grosso. 

Desses, 16 foram na Capital e um em São José do Rio Claro (315 km a Médio-Norte de Cuiabá). 

A Polícia Federal não dá mais informações sobre a operação, alegando que se trata de "uma investigação sigilosa". 
 
Blogger Templates