Subscribe:

Ads 468x60px

30 de abril de 2014

Conheça quem é quem na facção criminosa desarticulada pela Polícia Civil de MT

A Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso divulgou a lista dos principais investigados na operação “Grená” e nome dos detentos transferidos, os quais são apontados como os principais líderes da organização criminosa denominada “Comando Vermelho de Mato Grosso (CV-MT)”, instalada em presídios de Mato Grosso e que comanda diversos crimes no Estado. Todos vão responder pelo artigo 2º da Lei nº 12.850/2013, que trata do crime organizado.

A operação “Grená” foi deflagrada nesta quarta-feira (30.04) pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e a Diretoria de Inteligência, com apoio das inteligências da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) e Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).

A operação cumpriu 35 mandados de prisão até o final da manhã desta quarta-feira. Oito pessoas ainda são procuradas pela Polícia Civil e são consideradas foragidas.

Dois 31 internos de presídios de Mato Grosso, 28 reeducandos tiveram mandados de prisão preventiva cumpridos. NO entanto, 4 entraram recentemente no semiaberto e ainda não foram localizados. Eles são considerados foragidos. Do lado de fora das cadeias, 8 pessoas foram presas, de 12 mandados de prisão decretados. Quatro pessoas ainda são procuradas.

Os integrantes e colaboradores da facção presos do lado de fora da cadeia estão sendo interrogados pelas equipes que efetuaram o cumprimento do mandado de prisão. Eles responderão questionário previamente elaborado e após serão encaminhados para o Raio 3 da Penitenciária Central do Estado (PCE).

Principais líderes do CV-MT:
1. Sandro da Silva Rabelo, vulgo “Sandro Louco”, “Bile ou Bili” – criminoso natural de Cuiabá-MT, condenado por vários crimes, entre eles latrocínios, sequestro e roubos, que exerce grande poder sobre a criminalidade no Estado de Mato Grosso, sendo respeitado tanto dentro como fora do Sistema Prisional. É o principal líder do Comando Vermelho em Mato Grosso e um dos idealizadores do CV-MT. Ele é membro do “Conselho Final” e exige o cumprimento rigoroso do estatuto da facção. O criminoso tem pena a cumprir de 161 anos, 9 meses e 24 dias, em regime fechado por diversos crimes praticados. Já cumpriu 17 anos, 7 meses e 14 dias, desde a primeira vez que foi preso em 1993. Já passou por várias transferências de unidades prisionais de Mato Grosso, liderou motins e também fugiu de muitas cadeias. No ano de 2000 foi preso por roubo a banco em Várzea Grande e protagonizou sua primeira fuga da Penitenciária Central do Estado (PCE), à época Presídio do Pascoal Ramos, de onde saiu pela porta da frente levando arma de policiais. Em 2002, foi recapturado e levado para o Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), à época Cadeia do Carumbé, e depois transferido para a PCE. Em 2003 foi transferido para a unidade prisional Major Eldo de Sá Correa, popular Mata Grande, em Rondonópolis, e fugiu da unidade serrando a grade do banho do sol do módulo, pulou o muro de acesso à área externa da penitenciária e fugiu com mais cinco detentos. Em 2004, foi recapturado pela Gerência de Repressão a Sequestro e Investigações Especiais (GRISIE), hoje Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), na cidade de Goiânia (GO). Sua primeira transferência para unidades prisionais fora do Estado de Mato Grosso foi em 2005, para penitenciária Presidente Bernardes (SP). No mesmo ano foi para o presídio estadual de Piraguara (PR) e depois retornou a PCE. Em 2006 foi para Cadeia de Água Boa, depois de ameaças ao superintendente e a agentes prisionais. Em 2007 foi transferido para penitenciária federal de Catanduvas, no Paraná, e depois para presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Em 2012, retornou a PCE permanecendo no Raio 05. Situação atual: Preso na PCE. Não foi tranferido, pois contraiu hepatite.

2. Renato Sigarini, vulgo “Vermelhão”- criminoso condenado por vários crimes e um dos idealizadores do CV-MT. É membro do “Conselho Final” e responsável pelo cadastro final. É tido como o “cérebro” da facção criminosa, utilizando-se de suas habilidades e argumentações para recrutar novos integrantes e organizar a estrutura da facção. Situação: transferido.

3. Miro Arcângelo Gonçalves de Jesus, vulgo “Miro Loco” ou “Gentil” – criminoso condenado por vários crimes e um dos idealizadores do CV-MT. É membro do “Conselho Final” e um dos responsáveis pelo financeiro da facção. Possui altíssima liderança e exige o cumprimento rigoroso do estatuto. Comanda de dentro da unidade prisional diversas “bocas de fumos” na Grande Cuiabá. Situação: transferido.

4. Renildo Silva Rios, vulgo “Nego”, “Negão” ou “Liberdade” – criminoso condenado por vários crimes e um dos idealizadores do CV-MT. É membro do “Conselho Final”, possuindo altíssima liderança dentro da unidade prisional. Exige o cumprimento rigoroso do estatuto. Situação: Transferido.

5. Toleacil Natalino da Costa, vulgo “Tulio” ou “Túlia ou Trolha” – criminoso condenado por vários crimes e membro do CV-MT. É o principal responsável financeiro da facção. Participou do assassinato do detento Alesson Alex de Souza, em 30 de setembro de 2013, dentro do Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC). Situação: transferido.

6. Isaias Pereira Duarte, vulgo “Caverninha” – conhecido como “matador de polícia”, é membro do CV-MT e considerado extremamente articulado, à frente de todas as unidades prisionais. Cabe a ele realizar um filtro entre o “Conselho Final” e os membros de outras unidades prisionais e também fazer a difusão para as demais unidades de todas as decisões do “Conselho Final”, tomadas em prol da facção. Preso na Penitenciaria Central do Estado por tráfico de drogas e homicídio. Ele foi identificado como uma das pessoas envolvida na morte do detento Alesson Alex de Souza, em 30 de setembro de 2013, dentro do Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC). Situação: transferido.
7. Rudney Rodrigues dos Santos, o “Pinguim”, membro do CV-MT, responsável por avaliar fatos, analisar reivindicações, averiguar algum desentendimento entre os “irmãos”. Ele mantém a ordem e disciplina entre os “irmãos” – na PCE. Situação: Transferido. v 8. Leonardo Flávio de Souza – o “Bocão”, membro do CV-MT, estava preso na PCE por vários crimes cometidos. Situação: Transferido

Principais membros com mandados cumpridos:
1. Reginaldo Miranda, vulgo “Bongo” – criminoso condenado por diversos crimes, sendo um deles pela extorsão mediante sequestro de um dos donos do Supermercado Big Lar, em 2003, que ficou em cativeiro por 92 dias. É membro do CV-MT e possui altíssima liderança, considerado “braço-direito” do “Conselho Final”, participando de decisões referente à punições impostas pelo “Conselho Final” a outros reeducandos. O criminoso tem condenações por assalto em Sinop, Várzea Grande; condenação por porte ilegal de arma de fogo em Várzea Grande; responde por assalto em Jaciara; responde por um homicídio e dois assaltos em Cuiabá. Em 2013 foi posto em liberdade para cumprimento de pena em regime semiaberto. Situação: Foragido

2. Paulo César da Silva, vulgo “Petróleo” – membro do CV-MT, que possui altíssima liderança, responsável por avaliar fatos, analisar reivindicações e desentendimentos dentro da Penitenciária Central do Estado, e depois passa para o “Conselho Final”. Ganhou liberdade recentemente da Penitenciaria Central do Estado, onde estava preso por tráfico de drogas e homicídio. Ele foi identificado como uma das pessoas envolvida na morte do detento Alesson Alex de Souza, em 30 de setembro de 2013, dentro do Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC). Situação: Mandado cumprido.

3. Luênio César Rondon Rocha, conhecido por “Bicudo” – é integrante do CV-MT, auxilia nas atividades administrativas da facção na rua e também exerce grande liderança. Responde por um homicídio em Cuiabá, por formação de quadrilha e explosão de caixa eletrônico; assalto a mão armada em Cuiabá e porte de arma de fogo de uso proibido. Situação: Foragido.

4. Bruna Santos Xavier – esposa do detento Renato Sigarini, o Vermelhão”, membro do CV-MT e integrante do “Conselho Final”. Ela foi presa em flagrante por crime de tráfico de drogas no dia 14 de março de 2013. Bruna é responsável é pelo banco de dados do CV-MT, fazendo todas as inserções dos nomes da facção em uma tabela, organizando, e posteriormente, salvando-a em um pendrive, sob sua responsabilidade. Situação: presa.
5. Marileuza Dias de Pontes Siqueira – é esposa do reeducando Toleacil Natalino da Costa, o “Tulio” ou Túlia” ou “Trolha”, que é membro do CV-MT. Ela possui uma conta bancária movimentada pela facção e presta auxílio operacional, indo até ao banco retirar extratos, checar saldos e conferir valores a serem compensados no dia seguinte. Situação: presa.

6. Devid dos Santos Moya – não pertence ao CV-MT. É homem de confiança do detento “Miro Louco”, preso na PCE e membro do alto escalão do CV-MT. Devid executa ordens de “Miro” fora da prisão e principalmente com relação ao tráfico de drogas. Situação: preso.

7. Meykson Campos Oliveira, conhecido por “Zé”- membro do CV-MT, cumpre pena no Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC). Possui altíssima liderança, sendo um dos principais reeducandos a frente de Ala D no CRC. Ele é um dos executores do homicídio de Rafael Ramos de Oliveira, o “Rafinha”, assassinado no dia 09/09/2013, dentro do CRC. Situação: foragido.

8. José Bonifácio Nascimento de Barros, o “Zé da Caixa" – membro do CV-MT, que ocupa a função de “liderança” (obriga os demais integrantes a efetuarem a contribuição mensal), recluso na ala “M, do Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), que possui grande liderança. É integrante de uma quadrilha especializada em arrombamento de caixas eletrônicos e é padrinho de Glauce da Silva Neves. Situação: mandado cumprido.

9. Glauce da Silva Neves, conhecida por “Gê” – é integrante do CV-MT. Possui altíssima liderança, sendo a principal responsável pela administração de rua. Ela exerce a função de administrar todos os membros que estão na rua, bem como aqueles que saem em liberdade. Ela controla ainda a contribuição mensal de cada membro que está em liberdade, além de realizar reuniões a fim de repassar todos as decisões ao “Conselho Final” para os membros que estão na base. Glauce foi recomendada por um reeducando que faz parte de uma quadrilha de arrombamentos de caixas eletrônicos. A suspeita foi presa na segunda-feira (28.04), pela Delegacia de Roubos e Furtos (Derf), por uso de documento falso. Situação: presa.

10. Thaisa Souza de Almeida – esposa do líder da facção do CV-MT, Sandro da Silva Rabelo, o “Sandro Louco”, e uma das autoras do crime de tráfico de drogas, comandado por Sandro de dentro do presídio. No dia 12 de setembro de 2013, ela foi presa junto com outra mulher, por crime de tráfico de entorpecentes. Situação: Foragida.O Documento

0 comentários:

Postar um comentário

 
Blogger Templates